Tecnologia usada no filme “Avatar” acelera diagnóstico de distúrbios genéticos

E quem diria que o cinema pode ajudar a saúde a criar novas formas de oferecer um excelente cuidado aos pacientes? Uma tecnologia usada na franquia “Avatar”, por exemplo, conta com suporte da inteligência artificial para rastrear doenças que afetam a mobilidade ainda em fase inicial.

No primeiro filme da franquia, a tecnologia foi usada para capturar movimentos de atores, o que ajuda a criar personagens digitais mais realistas na tela. Essa observação dos movimentos corporais, quando aplicada na saúde, pode medir a gravidade de distúrbios genéticos com mais rapidez do que os métodos usados atualmente.

Mas as vantagens não param aí: a compreensão mais ágil da gravidade desses distúrbios também pode acelerar a realização de pesquisas clínicas e o desenvolvimento de medicamentos, além de reduzir os custos de produção.

Os estudos que possibilitaram a descoberta foram publicados na revista científica Nature Medicine e noticiados em matéria da BBC. Ei, James Cameron, continue lançando novos filmes pra ajudar a saúde das pessoas!

Foto: Divulgação 20th Century Studios | Reprodução BBC News Brasil

Músicas de Gershwin e livros de Virginia Woolf e “Sherlock Holmes” entram em domínio público

Em 2023, a importância e a qualidade das obras que entram em domínio público vem chamando a atenção. Um dos principais exemplos é uma coletânea de histórias do detetive mais famoso do mundo, intitulada “Case-book of Sherlock Holmes”, de Arthur Conan-Doyle (falecido em 1930). O livro já pode ser republicado, traduzido, adaptado em filmes e séries ou ter personagens utilizados em outras obras, sem custos de direitos autorais.

O livro “Ao Farol”, de Virginia Woolf, é outro que entrou em domínio público no dia 1º de janeiro de 2023. Na música, um dos destaques é a liberação de obras como “Funny Face” e “S’Wonderful”, de Ira e George Gershwin.

Já no cinema, “Metrópolis”, do cineasta alemão Fritz Lang (foto), “O Cantor de Jazz”, primeiro filme falado da história, e “Upstream”, de John Ford, também entraram em domínio público no primeiro dia do ano.

Agora, todas essas obras podem ser disponibilizadas ao público, gratuitamente, por meio de plataformas digitais, além de serem relançadas comercialmente por editoras, gravadoras e produtoras de cinema.

De acordo com a lei americana, obras artísticas passam a se tornar domínio público 70 anos após a morte do autor. Para os países signatários da Convenção de Berna, há casos em que essa mudança ocorre até mesmo antes — meio século após o falecimento do criador original. Mas há situações em que esse tempo é um pouco mais longo, muitas vezes por questões judiciais envolvendo os herdeiros dos criadores. Saiba mais detalhes nesta matéria da Folha.

Foto: Divulgação | Reprodução do filme “Metrópolis”, de Fritz Lang

Diversidade marca retorno do Globo de Ouro em 2023: confira os vencedores

Sem transmissão ao vivo para o Brasil, o Globo de Ouro 2023 premiou os principais filmes e séries da temporada em uma cerimônia realizada em Beverly Hills (EUA) na última terça-feira (10). Não conferiu os vencedores? É pra isso que estamos aqui!

Os troféus distribuídos pela Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) premiaram a diversidade das produções lançadas em 2022. Atrizes como Zendaya (da série “Euphoria”), Quinta Brunson (da série “Abbott Elementary”) e Michelle Yeoh (do filme “Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo”) levaram globos para casa.

Depois de ganharem a Copa do Mundo, os hermanos também garantiram um troféu com o filme “Argentina, 1985” — que sai na frente como favorito ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Veteranos de Hollywood também foram premiados: o ator Kevin Costner (pela série “Yellowstone”), o diretor Steven Spielberg (pelo filme “Os Fabelmans”) e a atriz Cate Blanchett (pelo filme “Tár”) se destacaram na premiação.

Confira aqui a lista completa dos vencedores e prepare a pipoca: diversos filmes e séries premiados no Globo de Ouro já estão nos cinemas ou disponíveis nas plataformas de streaming. Boa diversão!

Foto: Emma McIntyre/Getty Images | Reprodução: Omelete

Pouso na Lua, missão em Júpiter e mais novidades espaciais previstas para 2023

Está garantida pelo menos uma tentativa de pouso lunar em 2023. Uma empresa japonesa, a Ispace, lançou sua missão M1 em um foguete SpaceX em dezembro.

O foguete segue uma rota lenta até a lua e deve chegar lá em abril, quando tentará implantar um rover construído pelos Emirados Árabes Unidos, um robô construído pela agência espacial japonesa JAXA e outras cargas úteis. Além dessa missão, mais cinco tentativas de pouso lunar podem ocorrer ainda em 2023.

Júpiter também está na mira dos terráqueos — mais especificamente, da Agência Espacial Europeia. Uma nova espaçonave irá até o “gigante gasoso” neste ano, com o objetivo de se tornar a primeira a orbitar a lua de outro planeta.

O Jupiter Icy Moon Explorer, ou JUICE, será lançado de um foguete Ariane 5 no dia 5 de abril de 2023, mas só deverá alcançar seu destino em 2031. Assim que chegar ao maior planeta do sistema solar, ele realizará 35 sobrevoos de três luas: Calisto, Europa e Ganimedes. Acredita-se que todas elas têm oceanos subterrâneos. Mas será que eles pegam onda?

Saiba mais no New York Times (em inglês) e na Folha.

Foto: ASP/Nasa, ESA, CSA, Jupiter ERS Team e Judy Schmidt

Pelé, Rei do Futebol, morre aos 82 anos

A notícia que nenhum brasileiro gostaria de receber chegou ontem (29): Pelé, atleta do século XX, maior jogador de futebol da história, faleceu em São Paulo (SP), aos 82 anos.

De acordo com o boletim médico do Hospital Israelita Albert Einstein, publicado no G1, Edson Arantes do Nascimento morreu em decorrência da falência de múltiplos órgãos, resultado da progressão do câncer de cólon associado à sua condição clínica prévia.

Ao longo da carreira, Pelé fez 1.282 gols em 1.364 partidas. É o jogador com mais títulos da Copa do Mundo, tendo três conquistas pela Seleção Brasileira: em 1958, 1962 e 1970. Foi bicampeão da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes pelo Santos Futebol Clube (1962-1963).

Descanse em paz, Rei.

Foto: Luiz Paulo Machado/Placar | Reprodução UOL

Espinafre contaminado causa alucinações em consumidores na Austrália

Já pensou comer espinafre no almoço e acabar com sintomas de delírio ou confusão, alucinações, pupilas dilatadas, batimentos cardíacos acelerados e visão turva? Ninguém iria acreditar que foi exatamente esse vegetal que você consumiu, né?

Mas para 200 australianos, foi exatamente isso que aconteceu há alguns dias. Em um primeiro momento, foi divulgado que os alimentos tinham um “contaminante acidental”.

Após uma investigação, foi descoberta a culpada: a planta thornapple — de nome científico Datura stramonium e conhecida no Brasil por alcunhas nada amigáveis, como “trombeta do demônio”, “erva do diabo” e similares.De acordo com o jornal britânico The Guardian, “as investigações não identificaram nenhum outro potencial químico, herbicida ou outro tipo de contaminante” nos alimentos consumidos.

Foto: Reuters | Reprodução G1

Número de divórcios cai 10% em 2022 após alta na pandemia

Números compartilhados pela Central Notarial de Serviços Eletrônicos revelam uma queda de 10% nos casamentos dissolvidos no Brasil entre janeiro e novembro de 2022, em comparação com o mesmo período de 2021.

A queda dos divórcios pode estar ligada ao fim do isolamento social causado pela pandemia da Covid-19 e ao retorno das atividades presenciais, uma vez que foi durante a crise sanitária que o Brasil teve um recorde de casamentos encerrados.

No Google, as buscas relacionadas à palavra “divórcio” dispararam no segundo semestre de 2020 em relação ao primeiro. A pandemia foi vista por especialistas como um momento em que casais, confinados e obrigados a passar mais tempo na presença um do outro, conseguiram perceber problemas em suas relações.

É como diz o ditado: na alegria e na tristeza, até que a quarentena nos separe…

Foto: krivinis – stock.adobe.com | Reprodução Folha de São Paulo

Favorito da rainha Elizabeth, chá Darjeeling pode entrar em extinção — entenda as razões

O famoso chá preto Darjeeling — batizado com o nome da região onde é produzido, na fronteira da Índia com o Nepal — pode estar próximo à extinção. Além de questões ambientais, há problemas econômicos a serem superados.

As propriedades voltadas à produção do chá, criadas no século 19, estão à beira da falência ou, no mínimo, acumulando prejuízos. O Tea Board of India, órgão regulador local, solicitou ao governo um pacote de resgate de US$ 120 milhões para a indústria no mês passado. Mas ainda há indefinições a respeito do assunto. “Não sabemos se nossa propriedade sobreviverá por mais três a cinco anos”, disse Sparsh Agarwal, proprietário do Selim Hill Tea Garden ao The Economist.

Entre as principais causas para a crise estão a concorrência de produtores de chá do Nepal, que entraram com força no mercado ao ofertarem produtos mais baratos. O estado indiano onde Darjeeling se localiza, a Bengala Ocidental, tem leis trabalhistas mais duras que as do país vizinho, o que encarece o produto final.

O aumento das temperaturas médias e a diminuição das chuvas na região também vêm reduzindo o período de colheita e, consequentemente, a quantidade de chá disponível para venda.

Foto: Getty Images | Reprodução The Economist

Você provaria? Carne criada em laboratório pode chegar ao mercado em 2024

Matéria da Folha publicada no começo da semana revela que carne cultivada em laboratório pode começar a ser comercializada em 2024 no Brasil. Mas não dá pra dizer que o produto é, digamos assim, vegano: a carne é desenvolvida a partir da extração de células-tronco de animais e cultivo em biorreatores.

Na sequência, ocorre o processamento do material em dois tipos de carnes. As chamadas não estruturadas são usadas para produzir hambúrgueres, nuggets e salsichas, enquanto as carnes estruturadas podem virar alimento em cortes genuínos, como filé — isso ocorre a partir da ação de impressoras 3D.

A Cingapura já tem uma lei em vigor para venda de proteínas alternativas. Na União Europeia, espera-se que até o fim de 2022 o processo para aprovação da carne cultivada seja iniciado. Nos EUA, o FDA aprovou a proposta de apenas uma empresa até o momento. E por aqui?

“O processo regulatório desse mercado no Brasil vai acompanhar o resto do mundo”, acredita Raquel Casseli, diretora de engajamento corporativo do The Good Food Institute (GFI). E aí, vai encarar?

Foto: Leonardo Dutra Luz | Reprodução Folha de S.Paulo

Tecnologia faz Harrison Ford “rejuvenescer” em novo filme da franquia “Indiana Jones”

Em cada um dos primeiros quatro filmes da franquia “Indiana Jones”, uma marca foi estabelecida: cenas de abertura de impacto e que engajam o espectador desde o primeiro minuto. Como continuar a tradição no quinto filme da saga, que deve chegar aos cinemas em junho de 2023? Atenção: se você é muito sensível a spoilers, pare de ler aqui.

Logo no começo do filme, os fãs de Indy são levados a 1944, mesma época em que se passa a história do primeiro episódio da saga, “Os Caçadores da Arca Perdida”. E, para isso, foi necessário usar uma tecnologia de “rejuvenescimento” do ator Harrison Ford, que interpreta o personagem principal desde 1981.

Uma reportagem da revista Empire traz mais detalhes: várias técnicas foram empregadas para realizar a sequência de abertura do novo filme, incluindo o software ILM, que vasculhou o material arquivado do jovem Harrison Ford antes de combiná-lo com as filmagens mais recentes.

“Minha esperança é que você apenas assista e pense: ‘Meu Deus, eles acabaram de encontrar imagens antigas. Isso foi algo que eles filmaram há 40 anos’”, disse à Empire a produtora Kathleen Kennedy.

Foto: Divulgação | Reprodução Empire