Saúde baseada em valor: o que é e como aplicar na prática?

Compartilhe:
Saúde baseada em valor: o que é e como aplicar na prática?
Com a saúde baseada em valor, o produto oferecido aos pacientes passa a ser o valor entregue pelos serviços de saúde prestados. Confira!

Sumário

O que vale mais? Solicitar ao paciente uma variada gama de exames e procedimentos ou garantir que o atendimento seja focado nas suas necessidades reais e nos melhores resultados para sua saúde? A saúde baseada em valor é um conceito que muda a lógica de saúde baseada em serviço, direcionando esforços para o bem-estar do paciente antes de tudo.

Neste artigo, vamos falar um pouco sobre o conceito de saúde baseada em valor, os elementos essenciais para colocá-lo em prática, as vantagens para profissionais de saúde, instituições e pacientes e o papel da tecnologia neste contexto.

Comece a ler agora mesmo!

O que é saúde baseada em valor?

O ponto central da saúde baseada em valor é que o princípio básico da prestação de cuidados de saúde deve ser o valor gerado para os pacientes. E por “valor”, neste contexto, entende-se os resultados mais relevantes para a saúde do indivíduo tratado, bem como os custos para alcançá-los.

Ou seja, em vez de se oferecer uma saúde baseada em serviços, na qual o produto disponibilizado pelas operadoras de saúde é justamente o serviço prestado, muda-se a lógica. Com a saúde baseada em valor, o produto oferecido passa a ser o valor entregue pelos serviços de saúde prestados. E isso gera muito mais satisfação e fidelidade por parte dos pacientes, além de evitar a sobrecarga do sistema de saúde.

Esse conceito é de Michael E. Porter, professor da universidade de Harvard e autor de “Repensando a Saúde: Estratégias para Melhorar a Qualidade e Reduzir os Custos”, em parceria com a pesquisadora Elizabeth O. Teisber.

Lançada em 2006, a obra é o resultado de uma década de pesquisas a respeito dos porquês em torno do modelo econômico adotado na área da saúde. Diferente de outros setores, a saúde não seguiu os princípios de concorrência vistos na indústria e no comércio, por exemplo.

De acordo com os autores, a saúde segue um formato de competição disfuncional entre provedores. O resultado disso, especialmente nos Estados Unidos, onde a pesquisa foi feita, foi um gasto maior por pessoa em saúde do que em qualquer outra nação — e com resultados piores em áreas importantes, como a mortalidade de recém-nascidos.

No Brasil, o livro “A Saúde dos Planos de Saúde”, de Drauzio Varella e Mauricio Ceschin, trata da realidade nacional acerca do tema. Na obra, também é defendida a ideia de que o modelo atual não é sustentável. Mudar a forma de remuneração, segundo os autores, não é apenas um luxo, e sim uma necessidade para a manutenção do setor nas próximas décadas.

Como os novos modelos de remuneração em saúde se relacionam com esse conceito?

Outro assunto que vem dando o que falar são os novos modelos de remuneração em saúde. E isso tem tudo a ver com saúde baseada em valor. Ainda de acordo com as ideias de Porter e Teisber, a saúde passou muito tempo presa a práticas de gestão e modelos de pagamento engessados, a despeito dos avanços tecnológicos e científicos observados na área.

No entanto, conforme a medicina evoluiu, novas camadas foram adicionadas à estrutura organizacional do segmento de saúde, ainda que sem uma estratégia organizacional elaborada para a entrega desses cuidados. O resultado disso, salientam os pesquisadores, é um sistema complexo com objetivos variados, e não com um objetivo único.

Ao longo dos anos, houve muitas tentativas de qualificar o sistema, como a medicina baseada em evidências, as iniciativas voltadas à segurança, os prontuários eletrônicos, o uso de análise de dados e muitas outras propostas. Mas um avanço significativo ainda é esperado, tanto na melhoria dos resultados entregues aos pacientes quanto no controle de custos, acreditam Porter e Teisberg.

Assim, os autores propõem uma mudança no modelo de remuneração do setor. A ideia é ter um único objetivo para os cuidados em saúde: entregar valor ao paciente. Para isso, é necessário levar em consideração as condições de saúde dos indivíduos, bem como os resultados que fazem diferença para eles e os custos para alcançar esse objetivo. “O pagamento deve refletir valor, e não volume”, argumentam.

Dessa forma, contar com redes que desenvolvam os serviços corretos, nos locais recomendados e com os profissionais adequados é essencial — isso tudo conectado a sistemas de Tecnologia da Informação (TI) que deem suporte a todos esses elementos.

6 elementos para colocar em prática a saúde baseada em valor 

No livro “Repensando a Saúde: Estratégias para Melhorar a Qualidade e Reduzir os Custos” são elencados seis elementos fundamentais para um sistema de saúde baseado em valor “verdadeiro”. São eles:

  1. Organização dos cuidados com base nas condições de saúde
  2. Medida de resultados e custos por paciente
  3. Alinhamento dos modelos de reembolso com o valor entregue ao paciente
  4. Integração de sistemas com entrega de cuidados organizada regionalmente
  5. Geografia do cuidado, com centros nacionais de excelência cuidando de pacientes complexos
  6. Tecnologia da Informação, com um sistema criado para dar suporte às necessidades populacionais — como o software médico ou prontuário digital, por exemplo

Quais os benefícios desse modelo de trabalho para os profissionais de saúde?

Toda a cadeia pode ser beneficiada ao colocar em prática a saúde baseada em valor, desde os profissionais de saúde, passando pelo sistema e também os pacientes. Vamos começar falando das vantagens para quem trabalha na área.

Maior satisfação dos pacientes

Com o foco mais direcionado ao cuidado com o paciente e à resolução de seu problema de saúde, e não à quantidade de serviços e procedimentos realizados, a tendência é que as pessoas se sintam mais satisfeitas com o tratamento.

Serviços mais qualificados

Mais uma vez, o foco direcionado na qualidade do atendimento tende a proporcionar serviços mais satisfatórios a quem os recebe.

Redução de custos

Com o foco ainda mais direcionado aos bons resultados na saúde dos pacientes, a prevenção ganha maior importância. Isso tende a reduzir custos com tratamentos, internações e outros procedimentos.

Quais as vantagens do modelo para o sistema de saúde?

A saúde baseada em valor também traz mais vantagens ao sistema de saúde. Veja algumas delas!

Eficiência hospitalar

Quando há uma utilização racional dos recursos, a tendência é aumentar a eficiência em ambientes hospitalares.

Governança clínica

Colocar em prática a governança clínica, isto é, a gestão focada no bem-estar do paciente, é uma vantagem pois traz outros benefícios atrelados a essa medida. Entre elas, estão o já citado uso racional dos recursos, a adoção de padrões de excelência no atendimento e a maior satisfação dos pacientes. Isso tudo ganha corpo com a adoção das auditorias clínicas, ou seja, rigorosas avaliações dos processos realizados dentro das instituições de saúde.

Redução de internações

Somadas à busca por eficiência hospitalar e à implantação da governança clínica, não se pode deixar de mencionar a redução de internações. Isso desafoga o sistema de saúde, especialmente em períodos de alta demanda, como nas pandemias e outras sazonalidades, por exemplo.

Quais os benefícios para os pacientes?

É claro que, para os pacientes, a saúde baseada em valor também traz suas vantagens. Confira!

Mais conforto

Com a redução de exames e procedimentos desnecessários, o tratamento se torna mais confortável para os pacientes. O maior envolvimento dos profissionais de saúde, com foco nos resultados de saúde, também ajuda nesse quesito.

Custos reduzidos

Da mesma forma, a redução de custos também é uma consequência do modelo de saúde baseada em valor, e não em serviço.

Redução de internações

Com um atendimento mais preventivo e focado na saúde do paciente, é natural que haja uma redução da necessidade de tratamentos mais complexos e, consequentemente, de internações hospitalares. O movimento em torno da prevenção quaternária, bastante atual e que vem ganhando força, está diretamente relacionado a isso.

Qual o papel da tecnologia na saúde baseada em valor?

A implementação do conceito de saúde baseada em valor gera dados para profissionais e instituições de saúde. A partir de uma leitura aprofundada desses dados, pode-se chegar a novos insights e melhorias cada vez mais relevantes no atendimento de saúde.

Com o apoio da tecnologia, é possível armazenar e gerenciar esses dados — que vão desde dados clínicos dos pacientes até informações relacionadas à gestão de um consultório, clínica, hospital ou outro estabelecimento. Um prontuário eletrônico que gere dados estruturados é um grande aliado nessas horas.

Além disso, a tecnologia pode servir como suporte a um atendimento mais humanizado e focado no bem-estar do paciente. Com módulos de telemedicina associados ao prontuário, por exemplo, é possível oferecer teleconsultas sem que o paciente precise se deslocar.

Mais do que um conceito, a saúde baseada em valor é algo a ser colocado em prática por todos os atores que integram o sistema: profissionais, clínicas, hospitais, centros de diagnóstico e exames, entre outros. Além de promover a sustentabilidade do sistema de saúde, a iniciativa garante maior atenção ao paciente e satisfação por parte de quem é atendido.

E você, como tem aplicado a saúde baseada em valor no dia a dia? Entende que esse modelo traz benefícios para o sistema como um todo? Deixe seu comentário e vamos continuar a conversa!

Marketing Prontmed

Marketing Prontmed

Deixe um Comentário:

Conteúdo relacionado

27 de setembro de 2022
Entenda a importância do prontuário psicológico na gestão de saúde.
13 de setembro de 2022
Conheça cases da Prontmed na construção da jornada digital do paciente.