Dados clínicos e contas médicas: o que o prontuário eletrônico tem a ver com isso?

Compartilhe:
Dados clínicos e contas médicas: o que o prontuário eletrônico tem a ver com isso?
O faturamento de contas médicas é um dos elementos mais importantes na gestão de saúde, e evitar glosas é essencial.

Sumário

O faturamento de contas médicas é um dos elementos mais importantes na gestão de saúde. Executar esse processo corretamente e evitar as temidas glosas é essencial para a sustentabilidade de hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos.

Embora seja complexo, o faturamento se torna mais simples e ágil com o suporte de um prontuário eletrônico com dados clínicos estruturados, o que evita erros e prejuízos que impactam o sistema como um todo.

Quer saber mais sobre o assunto? Leia o artigo até o final para entender a relação entre dados clínicos, contas médicas e o prontuário eletrônico.

Qual a relação entre dados clínicos e contas médicas?

Os dados clínicos estão diretamente relacionados ao faturamento de contas médicas. Quando determinados procedimentos são solicitados por um profissional de saúde ao seu paciente, é preciso justificar esse pedido — especialmente quando há a necessidade de autorização por parte dos planos de saúde privados.

Assim, quanto mais detalhados, claros e acessíveis forem os dados clínicos do paciente, mais qualificada será essa solicitação e a consequente análise do procedimento por parte dos responsáveis. Isso evita que o faturamento de contas médicas tenha problemas, como a geração de glosas, por exemplo.

A importância dos dados estruturados no prontuário eletrônico para o faturamento e para evitar glosas

Um bom prontuário eletrônico deve manter os dados clínicos dos pacientes estruturados, isto é, organizados de forma padronizada e facilmente extraível, para que possa ser utilizado nos diversos processos que envolvem a gestão de saúde — além do atendimento em si, as questões administrativas e financeiras, entre outras.

Como os dados clínicos do paciente estão no prontuário eletrônico, ele desempenha um papel protagonista na gestão de saúde. Com informações atualizadas e devidamente estruturadas, torna-se muito mais rápido e prático emitir guias e receitas digitais, solicitar exames e prescrever tratamentos, por exemplo. 

Quando isso ocorre, os dados do paciente são buscados no próprio prontuário digital, o que, além de agilizar o processo, evita erros de preenchimento por parte do time administrativo — justamente as maiores causas de glosas técnicas e de prejuízos significativos para hospitais, clínicas e laboratórios. Para se ter uma ideia, em 2021, o índice de glosas foi de 4,1% da receita líquida dos hospitais privados no Brasil.

O papel da TISS e da TUSS

Os códigos TISS e TUSS também são fundamentais neste processo. Os padrões adotados com base na Resolução Normativa (RN) nº 305 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabelecem a maneira como os dados devem ser organizados para encaminhamento à agência reguladora (TISS), e o conteúdo a ser incluído neste formato padrão (TUSS).

Mas ninguém precisa decorar os códigos ou consultá-los a toda hora para preencher guias de atendimento. Os melhores prontuários eletrônicos já fazem isso de forma automática. Por isso a integração de sistemas é tão importante.

De que forma o uso do prontuário eletrônico pode ajudar nas contas médicas e mitigar as glosas técnicas?

A seguir, vamos abordar de que forma um sistema de prontuário eletrônico, como o Prontmed Hub, garante a segurança na hora de faturar contas médicas e evita o surgimento de glosas técnicas. Continue com a gente!

Facilita o preenchimento dos dados

O prontuário eletrônico torna mais fácil o preenchimento de dados cadastrais e clínicos de pacientes em guias, solicitações, prescrições, receitas e outros documentos — e ainda impede que informações incorretas sejam inseridas (como o número do cartão do plano de saúde, por exemplo) e provoquem glosas.

Conta com módulos de faturamento pré-configurados

O software médico também permite a configuração de regras de faturamento para diversas unidades de uma instituição de saúde e de convênios.

Funcionalidades como ficha de anamnese, guia SADT e prescrição digital

Um bom prontuário eletrônico ainda conta com funcionalidades relacionadas ao preenchimento dos dados clínicos de forma estruturada desde o primeiro atendimento (como a ficha de anamnese), além da guia SADT, prescrições e outros.

Gerenciamento de lotes TISS

O gerenciamento de lotes com padrão atualizado TISS é outra funcionalidade por meio da qual o prontuário eletrônico pode apoiar na mitigação das glosas técnicas, já que usa as normas estabelecidas pela ANS de forma automática.

Chegamos ao fim do artigo sobre a relação entre dados clínicos, contas médicas e o prontuário eletrônico. Esperamos que o conteúdo tenha esclarecido os pontos mais relevantes que cercam esse importante tema para a gestão de saúde.

Ficou curioso e quer saber mais sobre o Prontmed Hub? Agende uma conversa com a gente!

Marketing Prontmed

Marketing Prontmed

Deixe um Comentário:

Conteúdo relacionado

27 de setembro de 2022
Entenda a importância do prontuário psicológico na gestão de saúde.
13 de setembro de 2022
Conheça cases da Prontmed na construção da jornada digital do paciente.